Japão pode utilizar solo radioativo em obras públicas Fukushima pode utilizar até 22 milhões de metros cúbicos de solo radioativo para construir estradas, ferrovias e paredões de contenção marítima

Trabalhador usando proteção para nivelar o solo em Fukushima (Toru Hanai/Pool Photo via AP)

Cinco anos após o acidente na usina nuclear de Fukushima, no Japão, a área afetada ainda sofre com os resultados devastadores do tsunami que atingiu a costa do Japão. Mais de 15 mil pessoas morreram naquele fatídico 11 de março de 2011. A água do mar desligou os geradores de emergência a diesel que mantinham o sistema de refrigeração dos reatores funcionando, fazendo com que o material radioativo superaquecesse e derretesse o núcleo do reator. O governo japonês ordenou uma evacuação em um raio de 20 km ao redor da usina. A radiação contaminou a água, o solo e até mesmo o ar ao redor da usina

Ainda hoje há mais de 100 mil pessoas desalojadas, sem que haja uma solução à vista. Mesmo assim, o governo japonês já planeja o que fazer com o solo contaminado pela radiação: construir estradas, ferrovias e outras grandes obras.

O ineditismo deste projeto levanta sérias preocupações, como a exposição à radiação que os trabalhadores e os moradores dos arredores destas obras estarão expostos. O governo irá cobrir o solo radioativo com solo “limpo”, concreto e outros materiais de modo a minimizar a radiação e é obrigado a descartar qualquer material com mais de 8·103 Bq/kg (8 mil becquereis por quilograma). A estimativa é de que 22 milhões de metros cúbicos de solo contaminado possa ser reciclado.

Por enquanto o solo será armazenado em um depósito próximo à área do acidente por um período máximo de 30 anos. Após isso, a lei obriga o descarte do material fora do distrito de Fukushima

Douglas Moura

Fundador do Engenharia Livre, engenheiro civil e programador. Procuro sempre compartilhar as melhores informações do mundo da Engenharia.
Deixe um comentário em Japão pode utilizar solo radioativo em obras públicas Fukushima pode utilizar até 22 milhões de metros cúbicos de solo radioativo para construir estradas, ferrovias e paredões de contenção marítima