Sacrifícios pela ciência Veja invenções que mataram seus inventores, mas impulsionaram a nossa ciência a pensar adiante

“Sacrificios devem ser feitos”. Essas últimas palavras de Otto Lilienthal mostram como na ciência, muitos tiveram que se sacrificar para os avanços que vemos hoje. Ao invés de ter outras cobaias, eles e elas próprios se aventuraram para testar suas invenções, e muitas vezes, o exercício acabou da pior maneira possível.

Glider – Otto Lilienthal

O Glider foi um dos inventos pioneiros na aviação humana. Otto foi o primeiro a lançar-se no ar, voar e pousar em segurança através da sua invenção. Ele aplicou os ensinamentos de seu livro sobre o vôo dos pássaros ““Der Vogelflug como Grundlage der Fliegekunst” na aviação. Antes de morrer, ele construiu 18 modelos, 15 deles monoplanos e outros 3 biplanos. Já havia voado 2000 vezes.

O que causou a morte foi o fato de o Glider não tinha meios de controle de vôo, o piloto precisava dobrar e exercer força considerável para mudar a direção e a estabilidade do planador. Mundando seu peso, ele conseguiu equilibrar o trabalho. Enquanto voava em 9 de agosto de 1896, Lilienthal caiu 17 metros e quebrou a espinha, tendo falecido no dia seguinte.

Carro com motor a vapor – Francis Stanley

Francis Stanley inventou junto com seu irmão gêmeo Freelan o Carro com motor a vapor – Stanley Steamer. Em 1906, eles quebraram o recorde mundial de velocidade de arranque com 127 milhas por hora (205 km / h) em apenas 28,2 segundos. Mas em 31 de julho de 1918, o carro guiado por Francis caiu em uma pilha de lenha.

 

Para-quedas – Franz Reichelt

Em 4 de fevereiro de 1912, o alfaiate e inventor francês Franz Reichelt decidiu testar seu novo invento. Ele pediu permissão de autoridades da França para saltar da Torre Eiffel, e a ideia não deu certo. Mesmo tendo sido testado em manequins, o invento não deu a segurança para Franz chegar vivo à terra firme. Uma autópsia determinou que sua morte havia sido por infarto durante o vôo, mas as condições do corpo eram muito ruins quando foi resgatado.

Carro voador – Henry Smolinsk e Hal Blake

Em 1973, o engenheiro Henry Smolinski criou faleceu testando seu invento em conjunco com Hal Blake: tratava-se de um carro Ford com asas do avião Cessna 337. O Mizar, como foi chamado, era uma sensação automotiva, e teve algumas falhas no motor durante os primeiros testes. Mas depois de dois anos, o carro atingiu o todo de uma árvore e caiu em uma caminhonete, quando explodiu, matando os dois inventores.

Foto: Reprodução.

Veja mais outros casos em: Interesting Engineering.

Deixe uma resposta

Um comentário em “Sacrifícios pela ciência Veja invenções que mataram seus inventores, mas impulsionaram a nossa ciência a pensar adiante